Translate

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Região das Bodegas: Mendoza!

(Não seja''Obelix'' mas caia num barril de Roble.)

Existem duas Mendozas. Aquela dos aventureiros que vão para descer e subir montanhas, esquiar e escalar, e a Mendoza do bel far niente, daqueles que vieram comer e beber!
Aos pés da cordilheira dos Andes: CIDADE DE MENDOZA .

Para chegar lá existem duas opções, a primeira delas partindo de Santiago no Chile, e a segunda de Buenos Aires. Se a escolha for pela capital chilena, os mais de 390Km de estrada que cortam os Andes podem ser percorridos utilizando uma das inúmeras empresas de transporte rodoviário que operam nessa linha.
Se a preferência for chegar em Mendoza de avião, a alternativa é partir do Brasil rumo à Buenos Aires, e de lá pegar um vôo doméstico da Aerolíneas Argentinas que parta do aeroparque.
Ao chegarmos em Mendoza um vinhedo logo na entrada do aeroporto lembra que estamos na região que produz 70% da produção de uvas e vinhos da Argentina.

É uma das principais cidades do país, caracterizada por sua oferta cultural e de passeio. Também, tem seu papel na história da independência argentina e latino-americana que pode ser vista em sua área fundacional e em seus museus.

A cidade, destaca pontos turísticos da província, como o Aconcágua e a Cordilheira dos Andes, o Centro de Esqui Penitentes de de Las Leña , a Ponte do Inca e Vale de Uspallata e algumas adegas da Rota do Vinho.
E com isso fica claro que
para mim que o lugar não é uma paisagem estática e sim é tudo muito ''romântico'' sobre a sombra das montanhas que guardam os vinhedos organizados até perder-los de vista. Isso faz com que se veja que, além da Mendoza gastronômica e para enólogos, existe a Mendoza quatro estações!
Pintadas a mão pela natureza nas quatro estações que marcam o ano. Mendoza será uma com suas parreiras em gestação, outra sem suas crias, apenas arvores esperando uma safra e finalmente a natureza erma e seca que se vê durante a dureza do inverno. E a cidade adapta-se a cada uma de suas épocas com diferentes esportes, comidas, passeios e suas ruas com distintas paisagens delineadas pelas enormes veredas de arvores que se precipitam sobre as ruas mendocinas.
Mendoza não se parece atraente ao primeiro olhar, se parece com uma dessas cidades de interior do Rio Grande do Sul , como as que se desenvolveram com a indústria do carvão e telhas no cerne do estado, com veredas de prédios baixos e sem grandes atrativos intercalados por grandes construções que não formam padrão nenhum. Mas, uma voltinha pelas ruas da moda e a dramática paisagem na qual está submersa fazem com que tenha lá seus méritos de ponto de partida e entreposto para o há que afora de seus portões viários.



''To be continued''

Viva o Vinho!