Translate

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Sauvignon Blanc Ecos do Pampa , Estância Guatambu Vinhos Finos.

                                                       (Foto Valter , Gabriela Pötter e Leiloeiro brindando)


' O ecos do Pampa um vinho simples (branco) com aromas florais, na boca sem persistência, mas um vinho delicado para beber sem comida.'  -  Rogério D'avila  -  Importadora Ravin.


Premiações:
- O Cabernet Sauvignon foi selecionado entre os 30% superiores na 16ª e na 17ª Avaliação Nacional dos Vinhos.

Vinhos Brancos
Além do Rastros do Pampa, a Guatambu lançou em 2010 dois vinhos brancos: o Gewürztraminer Luar do Pampa e o Sauvignon Blanc Ecos do Pampa. Ambos os vinhos produzidos com uvas próprias da Estância Guatambu e são assinados pelo enólogo uruguaio Alejandro Cardozo, especializado em vinhos brancos.

Vinhedos Guatambu

          A família Hermann Pötter buscou no coração do pampa gaúcho, na latitude 30º58’ sul, em Dom Pedrito, expressar o potencial da região da Campanha através de seus vinhedos. A partir de 2003 implantou-se mudas importadas da França e Itália. O clima com alta luminosidade durante o período vegetativo da videira e escassez de chuvas no verão, aliado ao apropriado solo de origem granítica, resultam em um terroir diferenciado que propicia a maturação fenólica das uvas e a complexidade de seus vinhos.
Neste ano de 2010 a Guatambu está expandindo seus vinhedos, completando 20 ha de cultivo, com uvas Cabernet Sauvignon, Tannat, Merlot, Tempranillo, Gewürztraminer, Chardonnay, Sauvignon Blanc e Pinot Noir. Os vinhedos são cultivados em espaldeira e preconizam técnicas modernas e ao mesmo tempo artesanais que visam obter maior qualidade da fruta. Nesta safra a Guatambu passou a utilizar uma tecnologia inovadora, chamada TPC (Thermal Pest Control), ou seja, controle térmico de pragas – um processo de imunização de culturas agrícolas à base do ar quente, que é lançado sobre as plantas para eliminar os fungos, bactérias e demais pragas. Ao mesmo tempo, o ar quente provoca reações fisiológicas que refletem no aumento da produção de antioxidantes (como o resveratrol) nas uvas. Com isto, a tecnologia permite a produção de uvas sem qualquer resíduo de agrotóxico e de qualidade superior. O funcionamento da tecnologia é simples e fácil de manusear. Uma máquina rebocada por um trator lança um ar quente (a cerca de 150ºC) nas plantas, utilizando um sistema de combustão de gás liquefeito de petróleo (GLP). A nova tecnologia ainda possui benefícios extras, como para a saúde dos trabalhadores, a diminuição do uso de água, contribuindo para a preservação do lençol freático, e uma queda nos custos de produção. Segundo o gerente-executivo da Lazo TPC no Brasil, um estudo da Universidade de Cornell, nos Estados Unidos, concluiu que a máquina de ar quente reduz em 40% a emissão de dióxido de carbono em comparação com o uso de defensivos.