Translate

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Eventos, Temas & Organização, mais da Vino !

Nos quatro dias do evento Vino2011 ,em Nova York,na época mais fria e nevada de todos os outros em comparação,pelo menos é oque se vê pela televisão, aconteceu , promovido pela Comissão de Comércio Italiana o terceiro ano para este evento, que celebra vinhos italianos de todos os tipos, desde as básicas até as mais gloriosas. Um encontro marcado por uma dezena de seminários ao longo de dois dias, variando em uma ampla variedade de temas, desde a mídia social para a comida italiana e, claro, havia várias degustações, o mais impressionante Degustação Grande no último dia, que contou com centenas de produtores.

Quanto aos seminários, a noticia informa que foi explorado territórios e regiões tais como Soave, Friuli, Lombardia, Puglia e um no vários estilos de vinho da zona de Montefalco, na Úmbria. Cada seminário apresentado 80-10 vinhos que muitas vezes foram apresentadas pelos próprios produtores, o que foi um dos principais pontos positivos deste evento, tendo a oportunidade de provar e comparar vinhos em um sit-down apresentação, que em vários casos, foi agravado por uma estudo detalhado dos solos da região e da história pelo famoso Dr. Attilio Scienza, indiscutivelmente principal autoridade da Itália sobre as variedades de uvas indígenas.

O ponto alto ,para mim, como tema do seminário que fala sobre as competições que dá medalhas aos vencedores dos vinhos, a premissa de base é de se medalhas ainda significam alguma coisa para compradores ou consumidores de vinho. Pontos de revistas também foram levados para cima!
Um dos argumentos colocados sobre essa pontuação é que há muitos vinhos italianos - especialmente aqueles feitos a partir de variedades autóctones em estilo tradicional - que não recebem 92-95 pontos, simplesmente porque não são feitos no estilo da moda internacional que deslumbra os editores de algumas revistas influentes.

Opiniões divididas, nem precisa comentar!

Com base nisso ,talvez mesmo mais produtores deveriam pensar sobre como inserir as competições, como os vinhos seriam julgados contra os tipos semelhantes e não contra alguma definição mítico da grandeza. Se isso vai acontecer, ninguém sabe, como os italianos, em regra tendem a comercializar os seus vinhos com um ângulo humano e histórico, que podem ou não se encaixam com um ouro, prata ou bronze.

Bela discussão para encontros assim,quando custuma reunir uma ''elite especifica''(...)
que gosta de viver sobre o superfaturamento .
Mais uma vez por isso valioso ressaltar nos encontros de vinhos todo tipo de tema, porque passa a mensagem do que esta acontecendo no vinho daquele país,e de cada região.

Certamente que foi um belo encontro com muito frio nevado sobre Nova York!

Viva o Vinho,italiano!