Translate

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Aí uma nova região vinícola brasileira: Minas!

Na feira de vinhos brasileiros tive a oportunidade de conhecer vinhos da região sudeste do Brasil, e é de produção mineira, todos safras de 2010.
Provei um tinto e um rosé !

Como explicava Murillo, o ciclo de maturação e colheita das uvas ocorrem no outono e inverno e neste período as encostas da região são mais ensolaradas e secas, mas seguidas de frias noites, o que beneficia um ciclo mais longo às videiras assim permitindo que as chuvas alcancem um estado perfeito de maturação. Definindo o Primeira Estrada Syrah 2010. Porém há três anos nestes vinhedos até a primeira safra de 2008, tem sido descartada ,assim sendo possível colocar no mercado com qualidade esta primeira a ser lançada de 2010.

Provei o rosé com boa fruta,acidez equilíbrio.
O Syrah 100% tinto, ESPECIARIAS .Muito macio,aveludado. Super elegantes!Fáceis de beber.
O vinho passou 8 meses em barricas americanas e francesas .

http://www.primeiraestrada.com.br/



Por Fernando Verissimo:

Ocê gósdevinho?





Degustação de vinho em Minas


- Hummm...

- Hummm...

- Eca!!!

- Eca?! Quem falou Eca?

- Fui eu, sô! O senhor num acha que esse vinho tá com um gostim estranho?

- Que é isso?! Ele lembra frutas secas adamascadas, com leve toque de
trufas brancas, revelando um retrogosto persistente, mas sutil, que enevoa as papilas de lembranças tropicais atávicas...

- Putaquepariu sô! E o senhor cheirou isso tudo aí no copo ?!

- Claro! Sou um enólogo laureado. E o senhor?

- Cebesta, eu não! Sou isso não senhor !! Mas que isso aqui tá me cheirando iguarzinho à minha egüinha Gertrudes depois da chuva, lá isso tá!

- Ai, que heresia! Valei-me São Mouton Rothschild!

- O senhor me desculpe, mas eu vi o senhor sacudindo o copo e enfiando o narigão lá dentro. O senhor tá gripado, é ?

- Não, meu amigo, são técnicas internacionais de degustação entende? Caso queira, posso ser seu mestre na arte enológica. O senhor aprenderá como segurar a garrafa, sacar a rolha, escolher a taça, deitar o vinho e, então...

- E intão moiá o biscoito, né? Tô fora, seu frutinha adamascada!

- O querido não entendeu. O que eu quero é introduzi-lo no...

- Mais num vai introduzi mais é nunca! Desafasta, coisa ruim!

- Calma! O senhor precisa conhecer nosso grupo de degustação. Hoje, por exemplo, vamos apreciar uns franceses jovens...

- Hã-hã... Eu sabia que tinha francês nessa história lazarenta...

- O senhor poderia começar com um Beaujolais!

- Num beijo lê, nem beijo lá! Eu sô é home, safardana!

- Então, que tal um mais encorpado?

- Óia lá, ocê tá brincano com fogo...

- Ou, então, um suave fresco!

- Seu moço, tome tento, que a minha mão já tá coçando de vontade de meter um tapa na sua cara desavergonhada!

- Já sei: iniciemos com um brut, curto e duro. O senhor vai gostar!

- Num vô não, fio de um cão! Mas num vô, messs! Num é questão de tamanho e firmeza, não, seu fióte de brabuleta. Meu negócio é outro, qui inté rima com brabuleta...

- Então, vejamos, que tal um aveludado e escorregadio?

- E que tal a mão no pédovido, hein, seu fióte de Belzebu?

- Pra que esse nervosismo todo? Já sei, o senhor prefere um duro e macio, acertei?

- Eu é qui vô acertá um tapão nas suas venta, cão sarnento! Engulidô de rôia!

- Mole e redondo, com bouquet forte?

- Agora, ocê pulô o corguim! E é um... e é dois... e é treis! Num corre, não, fiodaputa! Vorta aqui que eu te arrebento, sua bicha fedorenta!...



Luiz Fernando Veríssimo