Translate

domingo, 1 de março de 2009

Vinho & Fotografia, aperitivo!








Se esse feriado tivesse mais um dia eu não caminhava, saia rolando...

É verdade que ficamos mais `folgados` se assim não fosse, o nome feriado tinha outro significado. Um bom livro para ler ao invés de estudar, sugere, mais do que um chimarrao, um doce para acompanhar, logo vem a ideia de jantar: o que  preparar (?!), e pensar na entrada, e então qual sobremesa melhor, e assim por adiante...O negócio é que tu sai de um ponto para outro com comida na cabeça...

Bem tudo começa mesmo porque fotografo, e mexendo com texturas; ingredientes coloridos, quero fotografar, passo a olhar mais do que tudo isso, gosto de deixar o freio solto da criatividade, até porque curto de ver onde vai chegar. É uma experimentação, e como toda, chega a algum resultado.
Estou sempre em contraste, na fotografia. Por isso eu gosto pra caramba de morar em São Paulo, ela dá muitos estudos, e encaixar isso no segmento enogastronomico, é transformar a arte de outro jeito, é a fotografia de vinho só que de outro jeito, é outro resultado de outras coisas que já fiz.

Há muitas e muitas coisas que passam pelo olho da gente e a gente não vê. Eu constantemente foco nisso quando estou nesses momentos únicos de papo pro ar, bebendo, comendo, falando...é  então uma inovação: gente, vinhos para tudo que é lado, cheiros, fumaças, eu fico lá parada olhando, e fico de repente no pause fotografando, é um detalhe aqui da curvatura da taça que encosta no canto do olho esquerdo sem tocar, e é os lábios que tem outra cor em choque com o  liquido e os olhos confidenciam que vinho é aquele, daí volto a olhar ao redor...  Tudo começou mais por causa da fotografia.

Sempre achei que alguém tinha que fazer uma releitura do meio `menos comercial`, e mais gráfica, mais artística, e comecei a estudar na pós artistas e fazer ligação direta com a fotografia. Em face disso, nesse começo são só fotografias, mas no futuro terei o desdobramento dela em uma peça só, e espero expandir isso para qualquer outra coisa...

Vem, chega de papo e vamos comer?

Aperitando...


Piruletas de parmesão!
E para combinar com o sabor do queijo Parmesão, um vinho quanto mais tânico, é o melhor pois as uvas são suficientemente robustas para não perder a estrutura, como a uva Cabernet Sauvignon, Bordeaux tinto, tintos do norte do Rhône, ...










Ingredientes:

1 cuharada desfiado / queijo parmesão ralado para o pirulito
1 stick de pirulito

Preparando pirulitos de parmesão:

Coloque um papel manteiga no tabuleiro e deixar circulando com parmesão. Deixa um espaço entre eles para ao derreter no calor, não aderem. Fure com a colher "polonês" do jeito que quiser, considerando-se um pouco de queijo para cobrir o restante do pau no pirulito.

Eu asso alguns minutos no forno a cerca de 170 graus, mas sem mover , porque em segundos o parmesão torra  e deixa um cheiro muito forte na cozinha, além de não ser possível comer.

Pegue um  tabuleiro do forno e  espere  um pouco para esfriar, com uma fenda  já solta.








Cá um Barolo, tinto da cidade de mesmo nome em Piemonte (Itália):





      Taninos bastante persistentes, e acompanhando o parmesão, que não é leve como na foto e sim é rico em gordura. Barolo passou agir menos tânico, menos amargo, foi muito bom largar a chamarra  de lado e inventar `moda` em casa!





Touché!