Translate

domingo, 30 de dezembro de 2012

Rio de Janeiro, Vinhos & Gastronomia.



        Falar um dos nossos estados brasileiros quando se faz um bate-volta parece fácil, mas não.
Descrever o Rio de Janeiro: QUENTE DEMAIS e ao mesmo tempo REFRESCANTE DEMAIS! Há várias razões para se amar o Rio de Janeiro...

     Se bem que eu não fui para passar calor, e nem para beber vinhos, especificamente,  mas por causa deles fui ao Rio...
Cada dia mais e cada dia essa estória fica melhor escrita. Povo aberto, comunicativo e interessado, já começo sentir um público forte para os vinhos assim que sai  ``por aí `` ...

   Fui pesquisar mais já que lá não vivo ( mas gostaria se não fosse cada vez mais fã da `Paulicéia desvairada` rs ...)


     O que garante a boa estadia no Rio naquele calor que anda fazendo é justamente um bom local e uma bebida que combina com nosso clima tropical, e não falo da também cerveja!

    Se tu ainda não se rendeu aos vinhos ... já é hora de abrir sua mente.

Lugares!

Lá do  segundo andar do MAM, entre as ruas do centro do Rio e a Baia da Guanabara, o localizado Restaurante LANGUIOLE, tem a ``maior`` adega do Rio, que posso estar errada, mas os números indicam mais do que ``os boatos``.
 A começar indicação do bom amigo e proprietário (Santiago Harte) do mais charmoso restaurante do Santa Teresa (falo mais tarde)  é que  fui melhor conhecer o chão da boa enogastronomia carioca.

Lima, o sommelier da Adega, me recebeu naquele local que a priori me chamou atenção pelo interior clean   do Restaurante, cuja cozinha contemporânea é chefiada pelo Pedro de Artagão (que também tem recentemente inaugurado no começo desse ano o Irajá Gastrô , em Botafogo, prestes a ser visitado!).


Sobre a super e premiada ADEGA foi assim colocada pela revista especializada Wine Spectator, onde cerca de 5500 garrafas e de mais de 600 rótulos podem ser degustados. Valor minimo da garrafa, R$ 50.



Endereço:

Av. Infante Dom Henrique, 85 - MAM - Flamengo.
Fone: 21-2517-3129.

www.mamrio.com.br



                                          O vão do MAM.


         Baia da Guanabara.



Atravessando a passarela do MAM, já cai na direção de outro local  demais para parar e se tomar uma taça a dois, inclusive bem no centrão do Rio, localizado ao lado do Teatro Municipal esta o Bistrô Vilarino, na avenida Rio Branco, 180 há 6 anos. Conta com 350 rótulos, a garrafa mais barata a R$ 70.

Infelizmente eu não consegui encontrar o Leon Harte a quem fui conhecer pessoalmente, mas fica para semana que vem, porém o tempo que passei conversando e abrindo o apetite com um cafézinho, verifiquei que o menu é variado, bastante contemporâneo como o cordeiro confiatado ao vinho do porto e Riz de Carnad (arroz de pato assado em vinho tinto com especiarias).

 
A entrada do Bistrô se dá pela irresistível adega climatizada .




http://www.bistrovillarino.com.br/

     


           Caminhando um pouco mais a frente, entre os untuosos edificios históricos do Rio e uma brisa marítima que segue ruas a dentro do centro, esta no subsolo da joalheira H.Stern descendo uma escada em espiral  uma das jóias guardadas que não esta nas vitrines ...

A casa vem um formato de livro antigo e sabe por que? Homenageia o próprio Eça de Queiroz, que  sabia cultivar os prazeres da boa mesa!


A cozinha é liderada pelo chef belga Frédéric de Maeyer. De sua cozinha saem pratos com base da culinária francesa e inspiração  brasileira. Mas parece que a especialidade esta nas sobremesas, a maioria favorecida pelo chocolate belga, é a tradição belga dos chocolatiers que formaliza a sofisticação do lugar!






(Proxima semana mais da cozinha) 








Até mais tarde com as minhas andanças e descobertas cariocas !





Viva o Vinho!



Uma das versões que eu curto ...