Translate

terça-feira, 8 de outubro de 2013

Cultura Bourgogne - `` Racines``





``Mire a cidadezinha que está à frente, ou uma casinha no meio dos lotes de vinhas, enquadre a câmera numa fileira, e agradeça aos céus pelo privilégio de estar ali ``


Ninguém me disse que seria assim, e se dissesse? Há coisas para serem sentidas e não ditas.





O que é a Bourgogne?

Pergunta essa que complica a cada momento. Pensar que é fácil é pra rir de si mesmo(a). Sei que é natural amar a França por si, mas explicar uma só região que não parece a França é um sentimento estranho. Cada olhar para cada dia é diferente, procurar o coração, o que move essa atmosfera é bem envolvente, é um mundo extraordinário. Me parece que a cada dia é se perder mais, e não estar no caminho, achando a resposta. Muito bonitas as construções e tudo, mas dessa atmosfera que chega sem mais nem menos ao prato que estou comendo, na produção do vinho que estou bebendo, e assim vai, é demais!

 Um pulo no Marché de Beaune, colhi uma grama de nada de séculos de história de um povo doido, explico, são muitos encontros: algo medieval e moderno, clássico e alternativo! Andando pelas ruas, provando, cheirando e fotografando de tudo, que me deparo com Gaia, que caça trufas, às voltas pelo marché, então que chegamos junto ao Bligny sur Ouche para conhecer sobre tudo, e isso nos deu uma outra longa viagem, uma inesperada emoção em um outro canto bourguignon fantástico! Das pimentas de origem controlada, da senhorinha que colheu flores do seu quintal para vender no Marché, dos agricultores de tubérculos e legumes naturais, sem agrotóxico algum, dos vendedores especialistas do reino dos deliciosos cogumelos, do `bric` de antiguidades que se encontra no final do `Marché`, é isso tudo que a cada segundo vai ganhando mais loucura de existir !E fazer pensar que a conexão de tudo isso com o vinho dessa terra é tão maior quanto se pensa... São esses pensares, essa cultura, essa gente que faz a Bourgogne ser puramente tradicional, docemente misteriosa e até que não poucas vezes... Mas são os pequenos grupos aqui e ali que fazem os meus olhares ficarem mais intensos, a ponto de não acreditar todo dia que a minha descoberta não valeu, tem mais! Ih! Muito mesmo... Não tenho conhecido esses locais todos como` turista`, como nunca antes acontece comigo só para começar! Sempre tive a sorte ou uma conexão com o tipo de lugar a ser explorado. E digo que nesse caso acho que os dois! Jean Claude tem sido o guia gourmet, o guia vinícola, o guia natural, que qualquer pessoa poderia ter, se quiser! Nada mais, nada menos que um morador de todas essas paisagens, ele deixou–me seguir seu trabalho, e ele respaldou o meu! Tive todas as minhas necessidades atendidas porque como fotógrafa não poderia não parar a qualquer momento, fosse de madrugada, fosse chuva afora, fosse proibido, e uma das coisas que tive que enfrentar foi `o não pode aqui na França`, ou melhor, `não na Bourgogne`!!! Uma das coisas que tive foi um click para cada um dos momentos, cada unzinho tem uma participação e um presente... Dito que ganhei presentes para o ano todo! Um pouco de tudo isso basicamente não é nada.
Uma imagem ainda é o insuficiente para cada estrada dentro e afora de Beaune, Dijon,... tive aí uma série de contos, de anos, séculos de história para retratar! Felizmente se faz necessário cada um sentir à sua maneira o que estou só comentando, o que não posso esconder dos amigos. Deixo uma dica, vão à Bourgogne e vivam como se de lá fossem, o dia a dia, a história das pessoas, os ares locais.





Laguiole é tradicionalmente  a cidade, eu disse, a cidade, onde as facas tem a apelação de origem controlada.
Cutelaria- Marché de Beaune





Sabe essa etiqueta verde acima do `cacho` de pimenta? certifica que ela vem da região controlada dessa pimentinha! - Marché de Beaune






  Jambon Corse tem maturação de 24 meses e é de Porco Preto selvagem. Cada parte do jambom vai ter um aroma. No centro, onde a carne é macia, tem aromas delicados ás vezes de Rosas.
Já na parte mais escura aromas de tabaco e terra Humus . - Marché de Beaune









                        Pão de Campagne (do campo) no Marché, tão comum quanto a baguete.

- Marché de Beaune 




                   

      Pessoas no MARCHE - Esse cara vê-se alternativo, um estranho... não sei quem ele é, fato. Mas interessante o momento que estava ali comprando o que provavelmente seria seu almoço, produtos tão naturais quanto ele parecia ser... Tudo combina!





                    Método Bourgogne de guardar os vinhos em garrafa!





      Morilles expressam a verdadeira cozinha ancestral. Acompanha as caças com molhos ao creme .
São raros e caros como as trufas!






   A trufa do Thiebaut ( thiebaut.gerald ) no Marché de Beaune.







    Trompettes de la mort esta na época agora!
Jean Claude faz seu Boeuf Bourguignon com eles secos, e quando estão frescos faz somente salteado com alho e manteiga e ervas!Hummm... ``Cuisine Bourguignon``






       Chantarelles  também pode ser feito com molhos e salteados. Em recheios ficam sempre com uma crocancia diferente dos outros, sempre macios...





     Esses sao les Cepes são aguados e bem melequentos. Ficam bons  em uma omelettes, mas tem bastante corpo os cogumelos quanto mais carnudos menos aromas e mais agua os mais finos e menores mais aromáticos.





      Comté  é um queijo feito de leite de vaca não pasteurizado no Franche-Comté região do leste da França  Comté tem a maior produção de todos os franceses AOC queijos.
A casca é essa beleza que se vê, o amarelo cremoso é um amarelo pálido cremoso e sua textura é relativamente dura e flexível, já o sabor é forte e ligeiramente doce.





     Folha do parreiral com fungos, como exemplo que não leva  fungicidas !




    Essa senhora traduz tudo aquilo que vejo por todos os lados. Ela semeia, planta e colhe o próprio ramalhete de flores que vai vender no Marché. Se olhar as voltas tu estas no paraíso...





    Na saída da queijaria de Cîteaux, na route do Chambertin, flagrei na passagem de um beco esse simpático que além de me autorizar registra-lo ainda me deu um cacho ( devo dizer que foi o primeiro que comi sem ser roubado dos vinhedos)




   Esse registro pertence a atmosfera da abadia de Cîteaux! Digo já que não é um lugar dos melhores passeios, e sim de estudo para quem quer conhecer mais a fundo a natureza sobre a  iniciação quanto a produção de vinhos através dos monges.




Uma das vinhas mais antigas (Clos des Avaux). Observe a espessura!
Ufa! Emoção... Passamos um momento de meditação. E as uvas? Grossas!




      Esse registro certamente que é uma das foto-colheitas que rego sem cessar, não posso evitar. Estive nesse vilarejo a caminho da vendange de Auxey-Duresses ( uma comuna francesa na região administrativa da Borgonha, no departamento Côte-d'Or )





Captura do cenário da Côte de Beaune 




    Beaune  é ponto de partida para um longo percurso e inesquecível passeio de bicicleta pela Voie  Verte, passando em vilas como Pommard ( museu e galeria de arte).
 No caminho os vinhedos enchem os olhos, pois estão dos dois lados e quase que infinitamente a frente da estrada. Cansou de pedalar? Encoste a bicicleta, caminhe entre os vinhedos, suba as cidadezinhas  e vá fotografar! Mais a frente tem mais paradas, uma visita aos vinhos como Chassagne-Montrachet, por exemplo. 






Uma cena das mais de mil que fiz sobre a Vendange Bourgogne...




Escultura Salvador Dalí - No Loiseau des Vignes (não posso deixar de `passar`, sou fã)




  
Perdição ou mesa de conteúdo? Do Loiseau des Vignes de Beaune, aberto desde 2007 e há três anos conquistou sua primeira estrela Michelan. Fomos servidos do começo ao fim pelo amigo Christophe  Gines (Diretor) e o Chef  Mourad Haddouche, mais tarde em outro post sobre os vinhos e a noite desse Restaurante.

O restaurante pertence ao grupo Loiseau que, em Saulieu, fez história na gastronomia francesa.
 (31 Rue Maufoux  21200 Beaune, Bourgogne/ França)




      


       O pitoresco Parc de La Bouzaize tem 120 anos - Aqui sim faz parte de uma tarde reflexão, ou melhor ainda para quem quer queimar todas as calorias que ganhou. 
No estilo jardim inglês, é um local encantador que fica muito próximo ao centro de Beaune, a oeste da cidade, na rua du Docteur Bouley. O Parc de la Bouzaise foi comprado no século 19 pelo prefeito, Paul Bouchard, que queria possuir terras em torno da nascente do rio conhecido como "O Bouzaise", a fim de garantir que a população de Beaune tivesse uma boa qualidade de abastecimento de água.E conseguiram até os dias de hoje ao menos! 


    


Almoço no Le Montrachet  - Tanto um vinho quanto uma experiência. Se tu estas próximo a Puligny-Monfrachet, deve saber que deve ir a prova de joelhos para qualquer vinho branco.
``Montrachet, Chassagne-Montrachet e Puligny-Montrachet``.  Ah, estes vinhos são como os melhores vinhos brancos da Bourgogne são feitos a partir da uva chardonnay, e as vinhas são uma parte da Côte D'Or , as encostas douradas célebres.
É quase certeza dizer que qualquer garrafa com o nome Montrachet  é digna de respeito, desde que, é claro,  produzida em uma boa safra... 
O 1961s, considerado um dos melhores anos da região, vai durar pelo menos uma década. Os 1962s foram de curta duração e deveria ter sido consumido até agora. 







Rue Libérte de Dijon, centro.



Notas*
Côte d'or  - Esta é uma importante região vitivinícola da França. Ele produz o que são, indiscutivelmente, os melhores do mundo, e definitivamente mais caro Pinot Noir e Chardonnay vinhos de alguns dos (graças a muitos mosteiros da região) obtidos das mais rigorosas, e meticulosamente  classificadas no mundo.




Consultoria e Assessoria de Jean Claude

https://www.facebook.com/RelacoesBrasilBorgonha



Mais fotos por aí?
Via FB:

MundusVinus.Page



Touché!